terça-feira, 26 de junho de 2018

3º ANO - 3º BIMESTRE: ATIVIDADES RÍTMICAS E A DANÇA

Introdução

    As atividades rítmicas e a dança são conteúdos da Educação Física escolar, uma vez que integram a cultura corporal de movimento. Assim, essas práticas corporais possuem o mesmo grau de importância dos demais conteúdos dessa disciplina.
    No entanto, o que presenciamos geralmente, é que tais conteúdos são raramente desenvolvidos no ambiente escolar e, quando são a ênfase consiste apenas nas vivências de forma descompromissada.
    Silva et al (2008, p. 37) apontam uma das possíveis razões para essa realidade: “existe hoje uma grande carência do trabalho com o ritmo, por exemplo, nas escolas, talvez por que a maioria dos professores desconheça o sentido dessa palavra e as possibilidades de trabalho que podem ser desenvolvidas através dela.” Marques (2007, p. 22), realça as análises dos autores afirmando que: “na grande maioria dos casos, professores não sabem exatamente o que, como ou até mesmo porque ensinar dança na escola.”
    É nesse sentido, que acreditamos ser relevante destacar a importância das atividades rítmicas e da dança, bem como, algumas possibilidades para a sua inserção no contexto escolar. Conforme, ressalta Impolcetto et al (2007, p. 92):
    Nas aulas de Educação Física escolar, a dança pode contribuir para a construção de uma relação de cooperação e respeito, desempenhando um importante papel, pois proporciona aos alunos a aquisição de elementos para que estes possam estabelecer relações corporais críticas e construtivas com diferentes maneiras de ver e sentir o corpo em movimento, relacionando-o com sua realidade, assim como compreende-lo em diferentes épocas e culturas.
    Contendo inúmeras possibilidades de ensino, a presença dessas práticas corporais, se torna essencial para uma educação integral dos alunos. Isto porque, por meio das atividades rítmicas e da dança, o aluno terá a oportunidade de conhecer e vivenciar as diversas manifestações culturais, nelas contidas. Segundo Verderi (2000, p. 33): “a verdadeira educação deve formar o homem para a vida, devemos a nossos alunos formação de valores, de metas.”
    Por esta razão, enfatizamos a relevância das atividades rítmicas e da dança na escola, sobretudo, no primeiro ciclo do Ensino Fundamental, uma vez que nessa faixa etária, é possível trabalhar as habilidades básicas dos alunos, aperfeiçoando-as e, principalmente, permitindo, aos mesmos que desenvolvam sua criatividade. Ou seja: “a dança na escola, associada à Educação Física, deverá ter um papel fundamental enquanto atividade pedagógica e despertar no alunado uma relação concreta sujeito-mundo” (VERDERI, 2000, p. 58).
    Portanto, o objetivo desse trabalho é destacar a relevância das atividades rítmicas e dança na escola, apresentando uma proposta de sistematização/organização desses conteúdos para o primeiro ciclo do Ensino Fundamental.
Revisão da Literatura
O que é atividade rítmica e dança?
    Para compreendermos melhor a especificidade de tais conteúdos, se torna relevante, conhecermos primeiramente, o conceito de ritmo e rítmica. Vale destacar que, vários autores atribuem diferentes significados à palavra ritmo, dos quais destacaremos alguns.
    Nesse sentido, investigando o conceito da palavra ritmo, verificamos que, de acordo com Camargo (1994, p. 23): “a palavra ritmo - em grego rhythmos- significa ‘aquilo que se move, aquilo que flui’, o que nos leva a concluir que todo movimento é ritmo em potencial.” Ou seja: “o ritmo e o movimento se desenvolvem simultaneamente no tempo e no espaço. Desta forma, confirmamos nossa consideração que o RITMO é MOVIMENTO, que o MOVIMENTO é RITMO [...]” (TIBEAU, 2006, p. 55, grifo do autor).
    Isto deixa claro que, o ritmo é algo inerente à vida humana. Para Tibeau (2006, p. 56):
    Todo o ser humano é dotado de ritmo, que se manifesta antes mesmo do nascimento, através dos batimentos cardíacos, depois pela respiração e pela fala e que está presente também nas formas básicas de locomoção. Por isso, o ritmo é considerado o elemento da música que está mais associado ao movimento, às ações motrícias do Homem.
    É por esta razão que, o ritmo atua nos aspectos cognitivos, afetivos e sociais do ser humano (CAMARGO, 1994).
    Conforme observamos, há inúmeras definições para a palavra ritmo, de forma que concluímos, com as análises feitas por Verderi (2000, p.53), na qual define o ritmo da seguinte maneira:
    O ritmo faz parte de tudo o que existe no universo, é um impulso, o estímulo que caracteriza a vida. Ele se faz presente na natureza, na vida humana, animal e vegetal, nas funções orgânicas do homem, em suas manifestações corporais, na expressão interior exteriorizada pelo gesto, no movimento, qualquer que seja ele.
    Já em relação à rítmica, esta foi desenvolvida pelo compositor e pedagogo suíço Emile Jacques Dalcroze (1865-1950), segundo Tibeau (2006). De acordo com Camargo (1994, p. 77): “[...] a ‘Rítmica’ é um método de educação global, baseado no ritmo musical, vivido de forma corpóreo-sensorial pelo indivíduo”.
    O método foi desenvolvido, uma vez que Dalcroze notou vários problemas de educação musical, apresentado pelos seus alunos musicistas, como também por músicos profissionais, de forma que buscou meios capazes de amenizar tal situação (CAMARGO, 1994). Ainda, segundo a autora: “Dalcroze organizou o seu método, visando à integração das faculdades físicas e mentais do ser humano, potencializando-as no tempo e no espaço, através da música” (CAMARGO, 1994, p. 77).
    Nisso, o método de Dalcroze, segundo Bourcier (1987, p. 291-292), se refere à:
    [...], uma educação psicomotora com base na repetição de ritmos, criadora de reflexos, na progressão da complexidade e da sobreposição de ritmos, na decifração corporal, na sucessão do movimento: a música suscita no cérebro uma imagem que, por sua vez, impulsiona o movimento, que se torna expressivo caso a música tenha sido captada corretamente. As conseqüências pedagógicas são o desenvolvimento do sentido musical em todo o ser- sensibilidade, inteligência, corpo-, que fornece uma ordem interior que, por sua vez, comanda o equilíbrio psíquico.
    Com isso, nota-se que a rítmica é uma forma de expressão corporal, por meio da música. Assim, as atividades rítmicas podem ser definidas, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998, p. 71) como:
    [...] as manifestações da cultural corporal que têm como característica comum a intenção explícita de expressão e comunicação por meio dos gestos na presença de ritmos, sons e da música na construção da expressão corporal. Trata-se especificamente das danças, mímicas e brincadeiras cantadas. Nessas atividades rítmicas e expressivas encontram-se mais subsídios para enriquecer o processo de informação e formação dos códigos corporais de comunicação dos indivíduos e do grupo.
    Ou seja, são atividades que visam trabalhar a expressão corporal, tendo como base, a música, bem como, a dança, que também é uma forma de comunicação.
    Seguindo nessa perspectiva, no que se refere à dança, Gaspari (2005), destaca que, a dança é uma forma de comunicação, considerada a mais antiga, visto que, desde os tempos primitivos, os homens já a utilizava para expressar seus sentimentos e desejos, levando Garaudy (1980, p. 13), afirmar que: “a dança é um modo de existir”. Soares e Madureira (2005, p. 85), ressaltam ainda que, a dança “[...] é uma experiência da beleza onde os corpos são múltiplos, conscientes da própria materialidade e sensíveis à expressividade do outro”.
    Em suma, as atividades rítmicas e a dança são elementos integrantes da cultura, da qual devem ser resgatadas e valorizadas, pois, são inerentes à vida humana.
Por que é importante aprender atividades rítmicas e dança na escola?
    As atividades rítmicas e a dança pertencem à cultura corporal, devendo ser desenvolvidas nas aulas de Educação Física escolar, de forma coerente e dinâmica. De acordo com Verderi (2000), a Educação Física é uma disciplina que trabalha diretamente com o movimento humano.
    O que me arrisco afirmar é que existe a necessidade latente da Educação Física entender melhor a especificidade de tal conteúdo, refletindo e discutindo os meandros ao qual as atividades rítmicas estão inseridas tentando apontar para suas possibilidades de usos e recursos na tentativa de desenvolver aprendizados que sejam realmente relevantes, interessantes e prazerosos para nossos alunos e alunas (JESUS, 2008, p.23).
    Realidade essa, também destacada por Ehrenberg e Gallardo (2005, p. 114), em relação à dança:
    A dança, como outras manifestações da cultura corporal, é capaz de inserir o seu aluno ao mundo em que vive de forma crítica e reconhecendo-se como agente de possível transformação, mas, para tal é necessário não apenas contemplar estes conteúdos e sim identificá-los, vivenciá-los e interpretá-los corporalmente.
    Fica evidente que, as atividades rítmicas e a dança, são conteúdos ricos, capazes de contemplar diversas finalidades no processo de ensino e aprendizagem dos alunos. Segundo Gaspari (2000, p. 199), “tal prática corporal pode estar na escola de acordo com os pressupostos educacionais e ser adaptada conforme as necessidades e características do contexto escolar”. É nesse sentido que, Verderi (2000) enfatiza que a atual Educação Física deve permitir que, os alunos participem ativamente das aulas, considerando as suas próprias percepções.
    De acordo com Jesus (2008), a relevância das atividades rítmicas está pautada nos aspectos comunicativos e expressivos do ser humano, pois, por meio desse conteúdo, é possível não apenas compreender, mas também produzir códigos corporais de comunicação. Paralelamente, é possível desenvolver a criatividade dos alunos e, principalmente, a interação. Isto porque, por meio da dança, é plausível trabalhar a socialização, tornando o aluno mais comunicativo, e mais confiante em suas ações, garantindo, assim, uma aprendizagem positiva (SILVA; JÚLIO; PAIXÃO, 2010).
    Dessa maneira, as atividades rítmicas e a dança na escola, são conteúdos essenciais para o desenvolvimento dos alunos (SILVA et al, 2008). Outro aspecto que justifica a importância dessas práticas corporais na escola é o fato de poder discutir nas aulas, questões relacionadas ao gênero. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998, p. 42), devemos “[...] atuar concretamente contra o preconceito expresso na falsa idéia de que ‘homem não dança’, cultivando as possibilidades de expressão masculina nas atividades rítmicas e expressivas”. Isto significa que, ao vivenciar estas práticas corporais, o aluno terá a oportunidade de se posicionar de forma mais crítica perante as informações que lhe são apresentadas.
    Sem contar que, ao adquirir uma postura crítica, o aluno além de conhecer as atividades rítmicas e a dança, certamente, também irá valorizar outras culturas além da sua própria. De acordo com os PCNs (BRASIL, 1998), no nosso país, nos deparamos com diversas manifestações culturais, inseridas, sobretudo, nas danças, visto que são as danças que caracterizam a cultura de diferentes regiões.
    Contudo, essas são algumas razões que justificam a relevância desses conteúdos nas aulas de Educação Física. Assim, cabe ao professor analisá-las e contextualizá-las de acordo com a realidade em que os seus alunos estão inseridos.
Como as atividades rítmicas e a dança podem ser classificadas?
    As atividades rítmicas e a dança, enquanto conteúdos da Educação Física escolar, apresentam suas especificidades, uma vez que são práticas que destacam a diversidade cultural de várias regiões (BRASIL, 1997). Nesse sentido, entendemos que as atividades rítmicas no espaço escolar, podem ser classificadas da seguinte maneira:
  • Percussão corporal: produção de sons com o corpo.
  • Exercícios rítmicos com a utilização de materiais: como pular corda; atividades que envolvam a utilização de materiais como bolas, bastões, entre outras.
  • Brincadeiras cantadas: que são maneiras de brincar com o corpo, a partir da relação entre movimento corporal e expressão vocal, sejam na forma de músicas, frases, palavras ou sílabas ritmadas. Além disso, envolvem musicalidade, dança, dramatização, mímica e jogos, podendo, ser caracterizadas como formas de expressão do corpo que integram a cultura popular (LARA; PIMENTEL; RIBEIRO, 2005), como rodas cantadas ou cirandas, parlendas, acalantos, brincadeiras de mãos, as quais serão tratadas a seguir.
    As brincadeiras de roda são aquelas desenvolvidas em círculo, de forma que as crianças segurando na mão uma das outras, cantam todas juntas cantigas de roda (FARIAS, 2001). Em relação às Parlendas, Silva et al (2008, p.38), destacam que: “elas compõem um conjunto de palavras de arrumação rítmica que podem rimar ou não, podem ser acompanhadas de atividades como jogo, brincadeira e expressão corporal, que são atividades próprias da Educação Física”.
    No caso dos Acalantos, essas são melodias simples e meigas, podendo apresentar em seu texto figuras que provoquem medo, além de possuírem outra característica, como o uso do canto em boca chiusa, ou seja, cantar com a boca fechada, favorecendo certa monotonia para fazer a criança dormir (FERNANDES, 2005).
    Brincadeiras de mãos são atividades desenvolvidas com canto e gestos com as mãos, nas quais pode haver contato entre os participantes ou não, como, por exemplo, a adoleta (A-do-le-tá/ Le-pe-ti Pe-ti-pe-tá/ Le café com chocolá/ A-do-le-tá) que pode ser feita em grupo ou em duplas.
    No que se refere à dança, constatamos que existe um vasto leque de possibilidades, de modo que utilizaremos a classificação realizada por Gallardo (Não paginado - 2003), que classificou as danças segundo a origem de cada uma:

  1. Ancestrais, originárias ou autóctones: são aquelas danças praticadas antes da conquista espanhola ou portuguesa, e que apesar das proibições ainda se encontram alguns vestígios delas.
  2. Tradicionais ou Folclóricas: são as danças que representam a cultura particular de uma região, podendo ter traços das danças ancestrais, e podem - pela miscigenação de culturas - ser adaptações de danças originárias dos países que nos conquistaram ou colonizaram. Elas podem eventualmente tornar-se populares.
  3. Populares: são as danças que estão sendo veiculadas pelos meios de comunicação e praticadas pela comunidade. Algumas delas permanecem em atualidade, chegando a incorporar-se ao grupo das danças tradicionais ou folclóricas.
  4. Clássicas ou Eruditas: são as danças que precisam de todo um processo de aprendizagem sistematizado, dado a sua complexidade e por serem em sua essência habilidades motoras altamente estruturadas (aquelas habilidades que se originam de estudos biomecânicos e devem ser incorporadas ou internalizadas para serem eficientes na prática da modalidade aos quais os modelos pertencem. Exemplos a ginástica artística, saltos ornamentais, entre outras).
    Em síntese, diante da classificação ora apresentada pelo autor, destacamos que para o presente estudo, selecionamos as danças classificadas como Tradicionais e Populares, uma vez que são danças passíveis de adaptações para a sua inserção no contexto escolar.
O que ensinar e o que os alunos devem saber sobre atividade rítmica e a dança?
    As atividades rítmicas e a dança, assim, como os demais conteúdos da Educação Física, possuem uma ampla gama de conhecimentos. São inúmeras, as possibilidades de ensino que esses conteúdos oferecem, de modo que devem ser desenvolvidos de forma coerente no ambiente escolar.
    Basicamente, todo trabalho pedagógico deve considerar primordialmente, o processo de ensino e aprendizagem dos alunos. Para tanto, não basta apenas desenvolver os conteúdos nas aulas, é necessário contextualizá-los, isto é, aproximá-los do contexto do qual os alunos estão inseridos. Segundo Darido (2005, p. 68): “[...] dentro de uma perspectiva de Educação e também de Educação Física, seria fundamental considerar, os procedimentos, fatos, conceitos, as atitudes e os valores como conteúdos, todos no mesmo nível de importância”.
    É nessa perspectiva, que destacamos alguns pontos relevantes das atividades rítmicas e da dança, das quais selecionamos neste estudo, para serem desenvolvidos nas dimensões dos conteúdos: conceitual, procedimental e atitudinal.
  • Dimensão conceitual - trabalhar a história das danças: Samba de Roda, Dança do Pezinho, Quadrilha, Catira e Carimbó. O conceito da palavra ritmo, bem como, a sua importância, uma vez que se trata de algo onipresente. Além disso, refletir sobre a questão do gênero e da pluralidade cultural nas atividades rítmicas, sobretudo, nas danças.
  • Dimensão procedimental- vivenciar as atividades rítmicas que envolvam percussão corporal, exercícios rítmicos com a utilização de materiais e brincadeiras cantadas e danças das regiões brasileiras, tais como: Samba de Roda, Dança do Pezinho, Quadrilha, Catira e Carimbó. Desenvolver atividades práticas, que permitem aos alunos a oportunidade de expressarem sua criatividade e autonomia, por meio dessas práticas corporais.
  • Dimensão atitudinal- fazer com que aula, se torne um ambiente, em que o respeito mútuo, a cooperação e a solidariedade, prevaleçam em todos os momentos.
    Com isso, percebemos que dada à relevância desses conteúdos, é necessário que os mesmos sejam trabalhados nas suas dimensões, buscando garantir aos alunos, uma aprendizagem significativa.
Possibilidades para sistematização das atividades rítmicas e dança
    A seguir, apresentamos uma proposta para sistematização/organização das atividades rítmicas e da dança, para o primeiro ciclo do Ensino Fundamental, que foi elaborada a partir da nossa experiência no ambiente escolar, bem como, por meio de estudos e pesquisas no grupo de estudos LETPEF (Laboratório de Estudos e Trabalhos Pedagógicos em Educação Física), na qual procuramos contemplar, as atividades rítmicas e as danças mais apropriadas para cada faixa etária, como também sugestões de números de aulas, as quais acreditamos serem suficientes para cada tema proposto.
    Dado o exposto, o foco da nossa proposta é resgatar por meio das atividades rítmicas e das danças, algumas das manifestações culturais presentes no nosso país. Para tanto, conforme destacado anteriormente, sugerimos trabalhar com algumas danças Tradicionais e Populares que ressaltam a diversidade cultural das cinco regiões brasileiras: Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sul e Sudeste.
  

1º ano

2º ano

3º ano

4º ano

5º ano

Tema 1
Percussão corporal
Presença das atividades rítmicas
(percussão corporal) nas brincadeiras cantadas



(4 aulas)
Exercícios rítmicos com a utilização de materiais, como corda, entre outros.



(4 aulas)
O que é Ritmo?



Os alunos devem aprender o que é ritmo e participar de atividades rítmicas com exercícios rítmicos, com a utilização de materiais utilizando elementos da cultura popular, como cordas e chocalhos.



(4 aulas)
Cantigas de Roda



Utilizar cantigas de roda para dramatização e coreografias sem e com material, como: bolas, bambolês,
chocalhos, entre outros.



(4 aulas)
Presença das atividades rítmicas nas brincadeiras e exercícios rítmicos com corda



Utilizar até duas cordas ao mesmo tempo



(4 a 6 aulas)

Tema 2
No ritmo da música



Utilizar músicas infantis para dramatização e coreografias simples



(04 aulas)
Entrando no ritmo



Utilizar o ritmo das músicas nas brincadeiras



(02 aulas)
Percussão Corporal



Explorar os sons que o corpo produz e utilizá-los em cantigas de roda



(02 aulas)
Corpo e Movimento



Explorar as qualidades, formas e energia presente no movimento e também a percepção do tempo



(02 aulas)
Dança do Carimbó



(Região Norte)



(04 aulas)

Tema 3
Samba de Roda (Região Nordeste)



(02 aulas)
Dança do Pezinho (Região Sul)



(02 aulas)
Quadrilha
(Região Nordeste)



(de 04 a 06 aulas)
Dança da Catira ou Cateretê (Regiões Sudeste e Centro Oeste
(04 aulas)


Total de
Aulas
10 aulas
8 aulas
De 10 a 12 aulas
10 aulas
De 8 a 10 aulas
Quadro 1. Proposta de sistematização da atividade rítmica e dança nas séries iniciais do Ensino Fundamental
    Com base nas informações ora apresentadas, destacamos que a escolha dos conteúdos para o 1º ano, se justifica, levando em consideração o nível de desenvolvimento do aluno nesta faixa etária. Procuramos incluir atividades de baixo nível de organização, com poucas regras e o gosto pela música, as quais prendem a atenção dos mesmos, além de tornarem a aula mais agradável e participativa. Além disso, sugerimos trabalhar com cantigas de roda, utilizando alguns aspectos relevantes, tais como: dramatização, coreografias simples, incluindo a percussão corporal. Seguindo a preferência dos alunos dessa faixa etária, por músicas, recomendamos, então, os jogos cantados em círculo como, por exemplo, Corre Cotia.
    Pensando em trabalhar nas aulas, a interação entre os alunos por meio da dança, destacamos o Samba de Roda (Região Nordeste), para o contexto escolar, visto que por meio dessa dança, podemos trabalhar a inclusão de todos na aula, uma vez que o importante não é o fato que todos “saibam sambar”, e sim, que todos igualmente possam participar. Sem contar que, o Samba de Roda no 1º ano, possibilita trabalhar a expressão corporal dos alunos, pelo fato de que nesta faixa etária, os alunos ainda não demonstram muita vergonha, expressando-se, com mais facilidade, do que no 5º ano, por exemplo.
    Visando a continuidade do trabalho com as atividades rítmicas, no 2º ano, optamos em escolher atividades que têm maior grau de complexidade. Isto porque, tendo em vista, a participação dos alunos, propomos a utilização de materiais, como cordas, bambolês, bastões e bolas, para acompanhar o ritmo das músicas. Já em relação à Dança do Pezinho (Região Sul), ressaltamos esta, dada as suas características: fácil interpretação, ritmo lento, permitindo ser acompanhada por todos os alunos nesta faixa etária.
    Ainda no 3º ano, propomos a continuidade dos exercícios rítmicos e das brincadeiras cantadas, no entanto, utilizando agora cordas de tamanhos maiores, visando o trabalho em grupo, tanto nos exercícios rítmicos, como também as parlendas. Sugerimos ainda que, as cantigas de roda sejam trabalhadas com chocalho. A dança popular Quadrilha (Região Nordeste), foi inserida nesta série porque, geralmente, trabalha-se com essa dança na escola. Porém, é possível constatar que, nem sempre ela é desenvolvida nas dimensões do conteúdo, de modo que é apenas praticada, não permitindo ao aluno, entender o porquê de ser dançada na época da Festa Junina, entre outros aspectos. Assim, inserimos essa dança no 3º ano, pois, é a partir daí que, os alunos começam a dançá-la nas festas com mais autonomia.
    No 4º ano, realçamos o trabalho com as brincadeiras cantadas, por meio de cantigas já vivenciadas nos anos anteriores. Entretanto, utilizaremos bastões para desenvolver a Cantiga Escravos de Jô, mas diferentemente da proposta do 2º ano, pois, quem se move são as crianças. Já a opção pela dança Catira (Regiões Sudeste e Centro Oeste), é devido a sua possibilidade de refletir com os alunos, a importância da participação de todos nessa dança, na qual cada dançarino desempenha um papel fundamental. Além disso, podemos debater questões relacionadas ao gênero, uma vez que a participação das mulheres na Catira é algo recente, uma vez que era praticada apenas por homens.
    Por conseguinte, no 5º ano, consideramos os exercícios rítmicos com materiais, utilizando duas cordas, assim, estaremos resgatando a atividade com corda do 3º ano e incluindo mais uma, isto é, um desafio que estimula os alunos. O que não nos impede, de primeiro revisar as atividades já realizadas no 3º ano, para então, iniciarmos as atividades com salto com cordas duplas, conhecido como Double Dutch. Dessa maneira, a Dança do Carimbó (Região Norte), se efetiva como um tema relevante, pelo fato de ter passos característicos, ou seja, não implica que, os alunos tenham que se expressar livremente como no Samba de Roda (incluído no 1º ano), pois, nesta faixa etária, é comum os alunos sentirem mais vergonha perante a turma. Levantaremos a discussão acerca da pluralidade cultural na dança, uma vez que diferentes culturas a influenciaram como, por exemplo, as culturas: indígena, africana e lusitana.
Considerações finais
    Com base na literatura pesquisada, consideramos que, as atividades rítmicas e a dança, enquanto conteúdos da Educação Física escolar, possuem um vasto repertório de conhecimentos a serem desenvolvidos no contexto escolar, capazes de contribuir significativamente para o desenvolvimento dos alunos.
    Além disso, essas práticas corporais contêm uma rica diversidade cultural, da qual destaca a cultura de diversas regiões. Ao inseri-las nas aulas de Educação Física, estes conteúdos, certamente, contribuirão para o resgate, bem como, para a valorização dessas manifestações culturais, possibilitando, os alunos reconhecerem que, esses conteúdos são tão interessantes quanto os demais já vivenciados por eles.
    Por esta razão, concluímos que, as atividades rítmicas e a dança, devem fazer parte do cotidiano escolar, assim, como os jogos e os esportes já se encontram. Por serem passíveis de adaptações, para qualquer realidade escolar, isso reforça, ainda mais, a relevância dessas práticas corporais na escola.
Referências
  • BOURCIER, P. História da dança no ocidente. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
  • BRASIL - Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1997.
  • BRASIL - Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • CAMARGO, M.L.M. Música/movimento: um universo em duas dimensões; aspectos técnicos e pedagógicos na Educação Física. Belo Horizonte: Villa Rica, 1994.
  • DARIDO, S.C. Os conteúdos da Educação Física na escola. In: DARIDO, S. C.; RANGEL, I.C.A. (Org.): Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2005, p. 64-79.
  • EHRENBERG, M. C.; GALLARDO, J.S.P. Dança: conhecimento a ser tratado nas aulas de Educação Física escolar. Revista Motriz, Rio Claro, v. 11, n.2, p.111-116 mai/ago. 2005.
  • FARIAS, A. S. F. S. A importância das brincadeiras de roda na práxis do professor de Educação Física. 2001. 29 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Psicomotricidade)- Pró Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento, Diretoria de Projetos Especiais, Projeto a Vez do Mestre. Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, 2001.
  • FERNANDES, A. J. De batuque e acalanto: uma missa Afro-Brasileira de Carlos Alberto Pinto Fonseca. Per Musi, Belo Horizonte, n. 11, p. 60-72 jan/jun. 2005.
  • GALLARDO, J. S. P. Delimitando os conteúdos da cultura corporal que correspondem à área de Educação Física. Revista Conexões, Campinas, v. 1, n. 1, 2003. Não paginado.
  • GASPARI, T. C. Dança. In: DARIDO, S. C.; RANGEL, I.C.A. (Org.): Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2005, p.199-226.
  • IMPOLCETTO, F. M. et al. Educação Física no ensino fundamental e médio: a sistematização dos conteúdos na perspectiva dos docentes universitários. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 6, n.1, p. 89-109 jun/mar. 2007.
  • JESUS, G. B. As atividades rítmicas e a Educação Física escolar: possibilidades de um trato em um outro ritmo. 2008. 218 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Motricidade Humana)- Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008.
  • Lara, L. M.; Pimentel, G. G. A.; Ribeiro, D.M. D. Brincadeiras cantadas: educação e ludicidade na cultura do corpo. EFDeportes.com, Revista Digital, Buenos Aires, Ano 10, nº 81, fev. 2005. http://www.efdeportes.com/efd81/brincad.htm
  • MARQUES, I.A. Dançando na escola. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2007.
  • SILVA, T.D.; SANTOS, L. B.; BÁRBARA, S.; SOUZA JÚNIOR, O. D.; GRILLO, D. E. Aspectos rítmicos motor e sonoro em aulas de Educação Física. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.7, n.3, p.36-41, dez./mar. 2008.
  • SILVA, E. M.; JÚLIO, M. G.; PAIXÃO, J.A. Panorama do conteúdo dança nas aulas de Educação Física escolar. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, ano 15, nº 144, maio 2010. Não paginado. http://www.efdeportes.com/efd144/conteudo-danca-nas-aulas-de-educacao-fisica.htm
  • SOARES, C. L.; MADUREIRA, J.R. Educação Física, linguagem e arte: possibilidades de um diálogo poético do corpo. Movimento, Porto Alegre: v. 11, n.2, p.75-88, maio/ago. 2005.
  • TIBEAU, C.C.P.M. Motricidade e música: aspectos relevantes das atividades rítmicas como conteúdo da Educação Física. Revista Brasileira de Educação Física, Esporte, Lazer e Dança, São Paulo, v.1, n.2, p.53-62 jun. 2006.
  • VERDERI, E. B. L. P. Dança na escola. 2 ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2000.

3º ANO 3º BIMESTRE: SEDENTARISMO E OBESIDADE


É a falta ou a diminuição da atividade física. Na verdade, o conceito de uma pessoa sedentária tem relação com a quantidade de calorias que ela gasta semanalmente, seja em atividades esportivas ou nas tarefas do dia a dia. Para ser considerada uma pessoa ativa é preciso queimar 2.200 calorias por semana, ou cerca de 300 calorias por dia.  

Além de atingir órgãos vitais como coração, rins, cérebro, entre outros, o sedentarismo impacta diretamente na saúde dos músculos e ossos, que se tornam mais frágeis, pois ficam sem uso, literalmente, atrofiando, perdendo a flexibilidade e comprometendo a saúde como um todo.

Atividade física x Exercício Físico
A atividade física e o exercício físico não são a mesma coisa. Atividade física é qualquer movimento do corpo que resulte em um aumento do gasto energético. Já o exercício físico é uma ação planejada e estruturada, que pode utilizar modalidades esportivas como dança, lutas, jogos, etc. Ambos promovem a queima de calorias, porém em níveis diferentes.


Riscos do Sedentarismo
Todo mundo sabe que a prática de exercícios físicos traz muitos benefícios à saúde. Ficar sem se exercitar pode causar vários tipos de doenças, principalmente as ligadas ao sistema cardiovascular. 
Obesidade, pressão alta, diabetes, aumento do colesterol, infarto, derrames, depressão, doenças articulares, são alguns exemplos das doenças às quais o indivíduo sedentário se expõe. O sedentarismo é considerado o principal fator de risco para a morte súbita, estando na maioria das vezes associado direta ou indiretamente às causas ou ao agravamento da grande maioria das doenças.
Doenças associadas ao sedentarismo
  • Obesidade
  • Colesterol alto
  • Diabetes
  • Hipertensão arterial
  • Infarto
  • Asma
  • Alguns tipos de câncer
  • Distúrbios psicológicos
Sedentarismo e Obesidade
Segundo o Ministério da Saúde, quase metade da população brasileira está acima do peso. A obesidade é um grande fator de risco para saúde e eleva os níveis de gordura e açúcar no sangue, assim como aumenta a pressão arterial. 
Os obesos também têm mais chances de ter problemas cardiovasculares, articulares, asma, apneia, câncer e transtornos mentais. O sedentarismo aliado a uma dieta rica em carboidratos, açúcar e gorduras contribui para aumentar os índices da obesidade. 

Eu sou sedentário?
Você sabe quantas calorias gasta por dia, por semana? E quantas calorias você consome por meio da alimentação? O equilíbrio entre o consumo e o gasto é fundamental para manter o peso. Porém, para ser considerado ativo ou sedentário você precisa gastar 2.200 calorias, por semana, em atividades físicas. Nem adianta dizer que você faz faxina na casa ou faz uma caminhada no final de semana. Isso não é suficiente. 

Como deixar de ser sedentário?
Para se tornar ativo, a primeira regra é se conscientizar sobre a importância da atividade física. Em seguida, planeje seu dia e encontre o melhor horário. Pense também em escolher uma atividade que lhe dê prazer. Não adianta se matricular na academia e parar de frequentar no primeiro mês. Persista! Depois de um tempo, você irá sentir mais energia, inclusive para trabalhar. Dica importante: além da persistência, a regularidade é fundamental. 

Mudança de hábitos

Saia da sua zona de conforto, literalmente. Isso quer dizer que para aumentar o gasto calórico, é preciso abrir mão de hábitos como usar o elevador para subir alguns andares, dispensar a escada rolante, estacionar o carro em um local mais distante do seu destino, ir ao supermercado ou à padaria a pé, etc. 
Dicas para começar: 
  • Antes de começar uma atividade física é importante realizar uma avaliação médica, checar se a saúde está em dia. Isso pode ser feito com um cardiologista ou com o médico da empresa;
  • Tão importante quanto o exercício é a preparação do corpo. Pela manhã, ainda na cama, experimente alongar seu corpo, espreguice, estique, alongue; 
  • Comece praticando a atividade por 20 minutos, três vezes por semana, durante duas semanas. Na terceira semana aumente para 30 minutos por dia, quatro vezes por semana. Como complemento, faça exercícios com pesos leves e alongamento;
  • Não adianta ser imediatista quando o assunto é esporte. Os resultados ficam mais evidentes após três meses;
  • Use roupas e calçados adequados, que proporcionem conforto e proteção ao mesmo tempo;
  • A sudorese e a desidratação constituem as principais causas de mal-estar durante o exercício, portanto tenha em mãos uma garrafa de água. O importante é estar hidratado antes, durante e após a prática de qualquer atividade física;
  • Caso apresente qualquer problema de saúde durante um exercício, procure orientação médica. 
Benefícios de praticar atividades físicas
1-Perda de peso
Apenas fechar a boca para perder peso não é o suficiente. O exercício físico é fundamental para ajudar na eliminação dos quilos a mais, assim como para manter o peso. Por isso, faça exercícios regularmente para ficar de bem com a balança.

2- Longe de doenças crônicas! 
Engana-se quem pensa que apenas os gordinhos sofrem de pressão alta, colesterol, etc. A atividade física regular ajuda a prevenir várias doenças crônicas, diminui as taxas do colesterol ruim, ajuda a controlar a pressão arterial e o diabetes tipo 2. Além disso, melhora a circulação sanguínea, previne a osteoporose e alguns tipos de câncer. 

3- Energia de super-herói 
Quanto mais ativo você é, mais ânimo e disposição você tem. A atividade física aumenta a oferta de nutrientes e oxigênio no sangue, regulando o sistema cardiovascular, que trabalha de maneira mais eficiente. A prática de um exercício físico, como uma caminhada, por exemplo, também melhora a capacidade pulmonar. Coração e pulmão trabalhando de forma mais eficaz aumentam a energia e melhoram a sensação de bem-estar. 

4- Rindo à toa
O exercício físico melhora o humor, ajuda a combater a depressão e a ansiedade. Isso porque estimula várias substâncias químicas no cérebro, como a serotonina, ligadas ao prazer e ao bem-estar. Uma simples caminhada, de 30 minutos, já ajuda a relaxar e a descontrair. O importante é encontrar uma atividade física que seja ideal para você. Dançar, lutar boxe, pilates, nadar, caminhar, jogar bola, enfim, faça algo que você goste e logo irá perceber que está mais feliz e de bem com a vida! 

5. Sono dos anjos
A insônia é quase uma epidemia, principalmente nas grandes cidades. Dificuldades para adormecer ou acordar várias vezes durante a noite são comuns. Praticar uma atividade física pode fazer toda a diferença quando o assunto é insônia, afinal nada como dormir bem para sentir-se novo no dia seguinte. 

6- Vida sexual mais ativa
Sabe aquela energia de super-herói que a atividade física proporciona? Que tal pensar que essa disposição também ajuda a melhorar a vida sexual? Isso porque a atividade física nas mulheres pode levar ao aumento da excitação e nos homens diminui a probabilidade do desenvolvimento da disfunção erétil. 

7- Diversão: dois em um
A atividade física pode e deve ser divertida e prazerosa. A questão é encontrar o esporte certo e não precisa ser nada sofisticado. Dançar, fazer caminhadas em parques públicos, na vizinhança, brincar com as crianças, jogar bola com os amigos. Se ficar entediado, tente algo novo. O que importa é praticar com regularidade e obter satisfação. Bom para melhorar sua saúde e ainda para te deixar mais feliz! 

Atividades físicas para crianças
Praticar atividades físicas é muito importante em qualquer idade. Com a modernidade, as crianças estão deixando cada vez mais de realizar exercícios. Os jogos de vídeo game e a televisão estão tomando conta do tempo dos pequenos, enquanto as práticas esportivas ficam de fora, e com isso o sedentarismo começa a se instalar desde cedo. 
Durante a infância, as crianças precisam se exercitar para ter um melhor desenvolvimento físico e até psicológico. Por isso é muito importante incentivar as crianças a praticarem algum esporte, desde que não seja de maneira obrigatória e sim como uma atitude saudável e prazerosa.  
Iniciar a vida adulta com sobrepeso pode aumentar o risco de várias doenças. Assim, é importante prevenir a obesidade e o sedentarismo desde a infância, por meio da prática de atividades físicas e de uma alimentação saudável. 

Perguntas e Respostas
1. Uma pessoa magra e sedentária tem menos riscos de ter problemas no coração?
Não. Ser magro nem sempre é sinônimo de saúde. Um indivíduo pode pesar menos, porém se ele tiver o nível de colesterol ruim (LDL) elevado também tem chances de desenvolver problemas cardíacos. O sedentarismo ajuda a aumentar esse número e ainda a reduzir o nível de colesterol bom no sangue (HDL), o que é ruim para o organismo. 

2. Como se tornar uma pessoa ativa?
Para aqueles que têm a agenda lotada de compromissos, a dica é praticar uma atividade física 30 minutos por dia, todos os dias da semana. Caminhar, andar de bicicleta, usar as escadas, passear com o cachorro, brincar com as crianças, etc. Para quem pode dedicar mais tempo, o ideal é praticar 60 minutos de atividades, de 3 a 5 vezes por semana. Lembre-se: a prática esportiva deve ter a sua cara: dançar, pedalar, nadar, jogar bola. Atualmente existem muitas opções, para todos os públicos e gostos.

3. Qual deve ser a medida dos exercícios para quem está iniciando?
Os iniciantes devem fazer exercícios físicos leves, para que não haja uma sobrecarga cardiovascular e nem muscular. O ideal é começar com práticas aeróbicas, como caminhadas ou andar de bicicleta. A musculação pode ser realizada já no início, desde que a carga também seja leve. É importante ressaltar que é essencial fazer alongamentos antes e depois das atividades, para evitar lesões musculares. 

4. É preciso ter orientação de um profissional para realizar atividades físicas? 
Sim. Toda prática de exercícios deve ter um acompanhamento. Antes de começar, é importante procurar um médico para realizar exames clínicos, como de sangue, que avalia níveis de colesterol e triglicérides, teste ergométrico, para saber se seu corpo está preparado para realizar atividades físicas, medição de pressão arterial e teste de função pulmonar, que irá medir a resistência dos seus pulmões. 
Após ter o resultado desses exames, o segundo passo é procurar um personal trainer ou um profissional de academia. Somente eles estão aptos a recomendar os tipos de exercícios ideais para você. Com a orientação correta, você irá evitar dores, traumas e até lesões musculares que a prática de atividades físicas desorientadas pode gerar. Até mesmo para uma simples caminhada, por exemplo, é importante ter a orientação de um profissional. 

2º ANO 3º BIMESTRE - REGRAS DO BASQUETE

O que é e qual o objetivo do jogo de Basquetebol?

O Basquetebol é um esporte coletivo jogado por duas equipes de 5 jogadores cada. O objetivo do jogo de Basquetebol é marcar pontos jogando a bola na cesta defendida pela equipe adversária.

Quais as medidas e dimensões da quadra de Basquetebol?

De acordo com as Regras do Basquetebol uma quadra de Basquete tem 28 metros de comprimento por 15 metros de largura.

Qual a altura da cesta de Basquetebol?

  • A Cesta de Basquetebol (aro) fica a uma altura de 3,05 metros do solo
  • A tabela de Basquetebol fica a uma altura de 2,90 metros do solo
  • O diâmetro da cesta de Basquetebol (aro) é de 45 centímetros
Medidas e altura da cesta de Basquetebol

Quais os equipamentos usados num jogo de Basquetebol?

Os equipamentos básicos para um jogo de Basquetebol são: tabela de basquete com aro e suporte, bola de basquetebol, cronômetro e um quadro para marcação do placar e de faltas.

Por quantos jogadores é formada uma equipe de Basquetebol?

  • Um equipe de Basquetebol é formada por no máximo 12 jogadores, sendo 5 em quadra e até 7 reservas.
  • Um treinador, um treinador auxiliar e até 5 membros na comissão técnica

Qual a função do treinador de uma equipe de Basquetebol?

  • entregar ao anotador uma lista com os nomes e números dos jogadores de sua equipe pelo menos 20 minutos antes do início da partida
  • Ficar em pé e falar com seus jogadores sem sair da área do banco de reservas

Qual a duração de uma partida de Basquetebol?

Uma partida de Basquetebol é dividida em 4 períodos de 10 minutos cada. Se ao final do último quarto período o jogo estiver empatado, haverá uma prorrogação de 5 minutos e quantas forem necessárias até que o jogo tenha um vencedor.

Regras relacionadas a bola no Basquetebol

  • Bola Viva: É quando a bola está em jogo
  • Bola morta: É quando a bola está fora de jogo
  • Bola ao ar: aplica-se no início do jogo e quando há uma bola presa (quando dois ou mais jogadores adversários estão segurando a bola ao mesmo tempo).
  • A Bola ao Ar também se aplica quando:
    • A bola sai da quadra e o árbitro tem dúvida qual equipe deve fazer a reposição
    • No início de cada período de jogo
    • Dupla falta no último lance livre
    • Se a bola ficar presa entre o aro e a tabela
Regras do Basquetebol: Bola ao alto

Posse de Bola Alternada no Basquetebol

A Posse de Bola Alternada é um procedimento que substitui a Bola ao Ar.
Procedimentos para Posse de Bola Alterada:
  • A equipe que perder a primeira Bola ao Ar terá direito a primeira Posse de Bola Alternada
  • A equipe que tiver direito a próxima posse de bola alternada no final de querquer período, iniciará o próximo período

O Manejo da bola no Basquetebol

Durante o jogo de Basquetebol a bola pode ser tocada apenas com as mãos. Pode ser passada, rolada, lançada ou quicada.
No jogo de Basquetebol não é permitido:
  • Correr com a bola
  • Chutar a bola
  • Bater na bola com o punho
  • Interceptar a bola intencionalmente com qualquer parte da perna
Tocar a bola com a perna de forma não intencional não é uma violação a regra.”

Quantos pontos vale uma “Cesta” no Basquetebol

  • Cesta de um Lance Livre vale 01 ponto
  • Cesta convertida na região delimitada pela linha de 3 vale 02 pontos
  • Cesta convertida fora da região delimitada pela linha de 3 vale 03 pontos
QUANTOS PONTOS VALE UMA CESTA NO BASQUETEBOL
Existe cesta contra no Basquetebol?
“De acordo com as Regras do Basquetebol, se um jogar converter uma cesta em seu próprio aro (cesta contra) de forma não intencional, será marcado 02 pontos para o capitão da equipe adversária. Mas se a cesta contra for intencional, o ponto não será válido.”

Reposição de Bola no Basquetebol

A reposição de bola no Basquetebol é feita fora dos limites da quadra e no local mais próximo onde ocorreu a infração. O árbitro deve, obrigatoriamente, entregar a bola para o jogador que irá fazer a reposição. O jogador terá 5 segundos para realizar a reposição.
Outras situações de reposição de bola no Basquetebol:
  • Após uma cesta convertida a reposição deve ser feita atrás da linha de fundo
  • No início de cada período ou após um lance livre resultante de falta técnica, antidesportiva ou desqualificante a reposição de bola será feita no prolongamento da linha central da quadra, fora da quadra.
  • Se uma cesta for convertida mas não for validada, a reposição ocorrerá fora da quadra no prolongamento da linha de lance livre

O Pedido de Tempo no Basquetebol

Pedido de tempo no Basquetebol é uma interrupção do jogo solicitada pelo treinador de uma equipe e tem duração de 1 minuto.
Cada equipe tem direito a:
  • 02 pedidos de tempo no primeiro tempo de jogo (primeiro e segundo períodos)
  • 03 pedidos de tempo no segundo tempo de jogo, sendo que nós últimos dois minutos pode-se pedir no máximo dois tempos
  • 01 pedido de tempo por tempo extra

Como são feitas as substituições no Basquetebol?

  • Quando a bola estiver fora de jogo, o cronômetro parado e o árbitro terminou a comunicação com a mesa de controle.
  • Quando um jogador recebe a bola para fazer a reposição de bola, não é mais permitido fazer uma substituição.
  • O jogador substituto deve informar a mesa de controle que irá acontecer uma substituição.
SUBSTITUIÇÕES NO BASQUETEBOL?

Jogo Perdido por Ausência ou Exclusão

  • Uma equipe perde o jogo por ausência se não possui 05 jogadores aptos a jogar até 15 minutos após a hora marcada para início do jogo.
  • Uma equipe perde o jogo por exclusão se durante o jogo ficar reduzida a menos de 02 jogadores aptos a jogar.

Violações das Regras do Basquetebol

Toda vez que ocorre uma violação as regras do Basquetebol a bola deve ser concedida ao adversários para reposição de bola fora da quadra do local mais próximo de onde ocorreu a violação.
Violações as Regras do Basquete
Tipos de violações (infrações) as regras do Basquetebol:
  • Jogador ou bola fora de quadra (jogador ou bola são considerados fora de quadra ao entrarem em contato com solo, objeto ou pessoa fora da quadra)
  • Jogador realiza dois drible consecutivos
  • Jogador andar com a bola
  • Jogador permanecer mais de 3 segundos dentro da área restrita adversária (Garrafão) quando sua equipe tem a posse de bola
  • Jogador fica mais de 5 segundos segurando a bola
  • Permanecer com a posse de bola por mais de 8 segundos na quadra de defesa
  • Não realizar um arremesso a cesta adversária dentro do tempo limite de 24 segundos
  • Retornar a bola da quadra de ataque para a quadra de defesa
Regras do Basquetebol: 2 segundos, pé na bola.
“Um jogador na zona de defesa não pode interferir em um arremesso adversário que está em trajetória descendente, nem tocar o aro ou a cesta, caso isso ocorra, será convertido ponto para equipe adversária de acordo com a posição ou situação em que o arremesso foi realizado.”

As Faltas no Basquetebol

Faltas são infrações as regras do Basquetebol referentes a um contato físico ou atitude antidesportiva.
Regras do Basquetebol: Faltas no Basquetebol

Posição Legal de Defesa

Um jogador ocupa uma posição legal de defesa quando está de frente para o adversária, com os pés no solo e ocupando um espaço cilíndrico.
É considerado falta no Basquetebol:
  • Provoca contato com um adversário que está em posição legal de defesa (falta de ataque)
  • Bloquear ou obstruir um adversário estando fora da sua posição legal de defesa
  • realizar carga (empurrar) o adversário
  • Tocar o adversário com as mãos restringindo seus movimentos
  • Agarrar o adversário em qualquer parte do corpo

Tipos de Falta do Basquetebol

Tipos de falta no Basquetebol
  • Falta pessoal: é um contato físico ilegal com o adversário
  • Falta dupla: é quando dois jogadores adversários cometem um falta pessoal ao mesmo tempo. A falta será anotada pela mesa e o jogo se reiniciará normalmente sem nenhum penalidade para as equipes.
  • Falta Técnica: é marcada a partir de um comportamento inadequado dos jogadores ou comissão técnica da equipe
    • O jogador que cometer duas faltas técnica será desqualificado do jogo
    • Se a falta técnica for cometida por um jogador ela contará como falta individual e coletiva da equipe
    • Se forma cometida por um membro do banco não contará como falta coletiva
    • Será concedido um lance livre mais reposição de bola para a equipe adversária
  • Falta Antidesportiva: é uma falta intencional que fere o espírito das regras do jogo
    • O jogador que cometer duas faltas antidesportiva será desqualificado do jogo
    • será concedido lances livres mais reposição de bola para equipe adversária.
      • Se a falta foi cometida em um jogador que não estava em ato de arremesso, a equipe terá direito a 2 lances livre.
      • Se a falta foi cometida em um jogador que estava no ato de arremesso, o arremesso será convertido e a equipe terá mais 1 lance livre.
  • Falta Desqualificante: é uma falta explicitamente antidesportiva.
    • O jogador será desqualificado
    • Se a falta foi cometida em um jogador que não estava em ato de arremesso, a equipe terá direito a 2 lances livre mais reposição de bola
    • Se a falta é sem contacto: 2 lances livres
    • Se a falta é cometida sobre um jogador no ato de lançamento: a cesta é convertida e, adicionalmente, 1 lance livre.
    • Se a falta é cometida sobre um jogador no ato de arremesso e a cesta não é convertida: 2 ou 3 lances livres de acordo com a posição do arremesso.
Falta Técnica e Antidesportiva no Basquetebol
“De acordo com as Regras do Basquetebol se um jogador que cometer 5 faltas deve ser informado por um árbitro e deve abandonar o jogo de imediato. Deve ser substituído em até 30 segundos.”

Faltas de Equipe

Uma falta de equipa são todas as faltas pessoais, técnicas, antidesportivas ou desqualificantes cometida por um jogador.
Uma equipa incorre numa situação de penalidade de faltas de equipa quando tenha cometido 4 faltas de equipa num período.
Quando uma equipa incorre numa situação de penalidade de faltas de equipa, todas as faltas pessoais subsequentes, cometidas por seus jogadores sobre um adversário que não esteja em ato de arremesso, devem ser penalizadas com 2 lances livres, em vez de uma reposição de bola.

Fonte: http://www.dicaseducacaofisica.info/resumo-das-regras-oficiais-do-basquetebol-atualizadas/